Sérgio Moro. (Foto: Isaac Amorim / MJSP)

Ministro usou o Twitter para rebater mais uma reportagem dos vazamentos ilegais contra a Lava Jato.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, respondeu a Folha de São Paulo sobre uma matéria na qual é acusado de interferir nas negociações de delação premiada na época em que era juiz na 13ª Vara Federal de Curitiba.

Alvo de uma campanha para destruir a sua reputação, o ex-juiz afirma que um magistrado “tem não só o poder, mas o dever legal de não homologar ou de exigir mudanças em acordos de colaboração excessivamente generosos”.

Moro lembrou as críticas feitas a acordos homologados, como o dos sócios da JBS.

Ainda assim, o ministro deixa claro que não reconhece a autenticidade das supostas mensagens, pois se foram enviadas por ele, foi há muito tempo, mas volta a afirmar que “se tiverem algo sério e autêntico, publiquem”.

E diz que não pode concordar com “o sensacionalismo e violação criminosa de privacidade”.

“Sobre a matéria da Fsp: O juiz tem não só o poder, mas o dever legal de não homologar ou de exigir mudanças em acordos de colaboração excessivamente generosos com criminosos. Não foi, aliás, essa a crítica a acordos como os dos sócios da JBS (que não passaram por mim)?”