Documento de treinamento para novos bispos ainda mostra dados de que os abusos são cometidos por familiares, amigos e vizinhos

O Vaticano divulgou um documento declarando que os seus bispos não são obrigados a reportar acusações de abusos sexuais de crianças à polícia.

Caso algum fiel venha a acusar um clérico de cometer abuso infantil o caso deve ser levado aos superiores da igreja segundo a norma.

“Não é necessariamente o dever dos bispos denunciar os suspeitos às autoridades, à polícia ou à promotoria local no momento em que ficam cientes dos crimes ou atos pecaminosos”, informa o documento destinado aos bispos recém-nomeados.

Quem escreveu essas orientações foi o monsenhor e psicoterapeuta francês, Tony Anatrella, que também serve como consultor do Conselho Pontifício para a Família.

O documento divulgado enfatiza ainda, através de estatísticas, que a maioria dos abusos sexuais contra menores são cometidos por familiares, amigos ou vizinhos. Porém a igreja reconhece que tem sido afetada pelos crimes sexuais cometidos por seus clérigos contra crianças.

Este novo guia tem sido usado no curso de treinamento para novos bispos desde setembro do ano passado. Com informações Veja

Compartilhar