Presidente russo critica Lenin e elogia Stalin

Visto como conservador por muitos e tendo dado testemunho público de sua fé cristã, o presidente da Rússia Vladimir Putin comparou a Bíblia com o comunismo.

Em entrevista esta semana, afirmou: “Elas me agradavam muito e seguem me agradando as ideias comunistas e socialistas. Se olhamos o manual do ‘construtor do comunismo” que foi publicado profusamente na União Soviética, lembra muito à Bíblia. Não é uma piada, na realidade, é um extrato da Bíblia”.

Falando em uma reunião de seu partido, a Frente Popular de Toda Rússia, Putin declarou que os ideias cristãos são igualdade, irmandade e felicidade.

Contudo, acredita que isso foi mal interpretado pelos comunistas do passado. “A aplicação prática dessas maravilhosas ideias em nosso país esteve longe do que expunham os socialistas utópicos. Nosso país não se pareceu com a Cidade do Sol”, asseverou.

Admitiu ainda que continua se considerando membro do Partido Comunista: “ao contrário de muitos funcionários, eu não joguei fora a carteira do partido. Não a queimei”.

Ao mesmo tempo, o chefe do Kremlin teceu críticas ao fundador da União Soviética, Vladimir Ilitch Lenin. Ele teria colocado em risco a estabilidade do Estado ao conceder a mesma categoria jurídica a todas as repúblicas soviéticas, desde a Rússia até a Ucrânia. Para Putin, isso foi como uma “bomba-relógio”. O resultado foi a desintegração da URSS.

O presidente russo se identifica mais com o pensamento do ditador Josef Stalin, que propôs conceder ampla autonomia a cada ente federado, mas sem o direito a abandonar a União. O tom do discurso parece tentar justificar a tentativa de ocupação russa de parte da Ucrânia, o que gerou uma guerra civil na região.

Parte das regiões de Donetsk e Lugansk, continuam até hoje quase totalmente dominadas por separatistas pró-Rússia.  Com informações Exame

 

Compartilhar